Espírito Motor
quinta-feira, 13 de dezembro de 2007
  Dois Últimos Documentos
Dois Últimos Documentos

Quinto Documento:

"Eu prometo em singularidade e emoção que o tempo será protegido dos outros guerrilheiros, e quando passarem por mim os homens donos dos significados eu estarei pronto a guerrear com eles, inventando novos caminhos e novos minutos, suas tropas se perderão distantes de mim lá onde minhas reservas alarmeam-se simplesmente por natureza de função. Antes de chegar qualquer grito guerra, eu inventarei novos países, novos territórios e novas cartas de guerra, a batalha contra as vozes de infantaria será minha bandeira pessoal, e eu com o tecido forte dela vestirei todas as crianças do mundo dentro do meu pensar, e serei mil vezes patrono de uma terra longe dos alarmes, mil vezes amado por um povo interior que clama todos os dias pela notícia de paz, em jornais cheios de heróis brandos e de vitórias limpas, eu prometo em singularidade e emoção governar o tempo do lado de dentro da minha fortaleza, prometo deixar os homens donos dos significados escondidos em suas trincheiras do outro lado de tudo. Minhas torres vão me proteger gritando sem parar, lá de longe vou ouvir o zumbido da destruição e esquentar meus princípios cívicos no calor da consciência-aviso, uma impressão daqueles que testemunham os gritos dos vulcões primordiais num sol de peregrinos."

E meu quinto sentido deixei em papel:


O Marchador.

============================


Antes de assinar o sexto e último documento, o Destino ponderou sobre a dificuldade deste desafio, mesmo assim eu tomei a última pena e deixei meu nome gravado como uma semente em honra:

"Respeitará com imensidão e profundidade o tamanho do último e primeiro nome, você pode se chamar qualquer coisa mas haverá um retorno ao teu príncipio mais verdadeiro, carregará com todas as forças do tempo e do amor o prazer de ser Deus, e não se aventurará em nenhuma mentira, para defender com imensidão e profundidade o teu pequeno tamanho diante de tudo, e haverá uma medida nova para todas as noções do mundo, haverá uma nova forma de saber onde tudo começa e termina, do tamanho menor e absoluto, será a potestade, haverá a partir de tua assinatura uma nova métrica e seu nome guardará o tamanho de tudo aos teus olhos, e seremos assim - eu e tudo mais - o maior e o menor em você no quando e no porquê de cada verbo."


Gustavo.
 
segunda-feira, 10 de dezembro de 2007
  Quatro Documentos
Quatro Documentos


Quando eu estava prestes a nascer fui chamado à sala do Destino, lá encontrei seis penas e seis documentos a assinar, em cada um deles estavam as fases de minha futura vida e o compromisso pronto para ser assumido, eis na primeira página o que li:

"Concorda em ritmo e lealdade que serás obrigado a salvar as grandes bestas de velhas áfricas, viajará para o tempo dos ingleses industriais e bélicos, seguirá com eles por rotas em meio às cidades negras de diamantes submersos em terra e sangue, será lá onde você viverá sua façanha de dizer ao sol que és mil vezes mais novo do que já foi, não importa quantos mil ontens existam em ti e nele, fará aquele continente um novo para si mesmo, levando um gramofone cheio de óperas alheias pendurado nas mochieleiras de burros, e isso fará as terras dos homens mais nova aos meus olhos, mesmo quando o céu estiver nublado fazendo-lhe acordar em sua intimidade ressussitada, o diferente e o novo avançará por dentro do continente eternamente velho, quero o sangue daquelas lamas reluzindo às músicas que trouxer no jeito de imaginar teus passos por entre as nuvens pesadas que o tempo carrega."

Assine humano em Ritmo e Lealdade:

E eu deixei meu primeiro significado lá:

Gustavo - O Estrangeiro.

============================
Para assinar o segundo documento me foi dada a segunda pena, eu estiquei o braço, e antes de ler tudo já estava meu nome bem firme à cada molécula do papel, então descobri:

"Assumirá com coesão e poesia as forças maiores dos teus significados, lançaram nos mares ao teu redor navios fantasmas e você cumprirá a ordem dos peixes, deverá invadir todo tema e tempo, deverá jogar ganchos à proa de toda palavra-embarcação, e também alçar sua bandeira livre cheia de caveiras dos ontens, ao céu repleto de sonhos vivos, lá, onde todo entendimento tem segundas possibilidades nascerão as águas que com coesão e poesia vão sonhar contigo, a fabricar nas noites de emboscadas, o tanto de corações que precisas para teu peito marinho. Serás isca e pesca, içarás navios imersos em todo alguém ao teu redor."

Meu segundo significado foi assinado:

O Pescador.


============================
Ao terceiro documento eu me dirigi, então de frente para ele percebi que meu reflexo na mesa de mármore misturava-se com o do Destino, com a terceira pena assinei essas promessas:

"Com familiaridade e certeza eu passearei por todas as geografias dos mundos, conquistarei os corações fechados das montanhas, dos desertos nos continentes à barriga dos oceanos, caminharei carregando todos os sentimentos mundanos e sacros para ser paisagem aos olhos das paisagens, vou de calçada em calçada fazer valer os montes e penhascos, e acredito num só sentimento de fé: a beleza do mundo observa o passante. Eu serei o turismo de toda montanha, e todas elas têm em mim familiaridade e certeza, serei amigo das geografias, dos beijos secos nos continentes aos umbigos misteriosos dos oceanos. E assim prometo-me, em familiaridade e certeza."

Como terceiro significado deixei:

Amado das Geografias.

============================
Eis o que estava escrito no quarto documento o qual assinei:

"Em glória e humanidade vou encontrar-me com minha sombra, nela eu vou dialogar com os fantasmas e com os ditadores, e são muitos os que vivem ali, com glória e humanidade eu vou olhar para cada rosto meu escondido no império secreto do inconsciente, vou ter com cada olhar os assuntos devidos e vou perguntar o porquê de tudo, a sombra então aprenderá a falar, e serei nunca mais o solitário perseguido em reino de lendas desejadas, eu prometo em glória e humanidade ter todos os ditadores dentro de mim em um silêncio comunicativo, se o medo é como o céu, eis minha fé como lua, falarei a todos: a pergunta-covardia - carregada pelos déspotas da Verdade - será meu caminho para a luz."

Então assinei:

Desmitistificador.
 

Nome:
Local: Brazil
Arquivos
16 de Setembro de 2007 / 23 de Setembro de 2007 / 30 de Setembro de 2007 / 7 de Outubro de 2007 / 14 de Outubro de 2007 / 28 de Outubro de 2007 / 11 de Novembro de 2007 / 18 de Novembro de 2007 / 25 de Novembro de 2007 / 2 de Dezembro de 2007 / 9 de Dezembro de 2007 / 16 de Dezembro de 2007 / 30 de Dezembro de 2007 / 6 de Janeiro de 2008 /


Powered by Blogger

Assinar
Postagens [Atom]